Pitfalls do dia-a-dia da UTI: Swan-Ganz descalibrado!

Aceito sugestões para compor esse post…

Existem situações em terapia intensiva que são intrigantes por falta de coerência fisiopatológica, “esse paciente não estudou a doença que tem!”, “o que explica isso sem aquilo?”. Outras situações são verdadeiras armadilhas, principalmente para os profissionais iniciantes em terapia intensiva.

O paciente chega do bloco cirúrgico no POI de uma ressecção de um sarcoma do psoas, a famosa “tudectomia”, com invasão vascular, resseção de segmentos de delgado, anastomoses entéricas, fístula artério-venosa pra proteger anastomose vascular, horas de cirurgia, muito volume, concentrado de hemácia… O anestesista traz o paciente monitorizado com o Swan-Ganz e diz que o paciente tá ótimo, extubado em sala, e que apesar da grande cirurgia não houve intercorrência maior, somente uma coisa chama a atenção, a SvO2 (saturação venosa mista de O2) de 88%! Totalmente dissociado da clínica! Esse Swan só pode estar descalibrado ou com algum defeito, o paciente não pode ter uma Taxa de Extração tão baixa!

Comentário: Trata-se de uma situação que inviabiliza o uso dos parâmetros de oxigenação fornecidos pelo Swan-Ganz, esse paciente tem uma fístula cirúrgica artério-venosa, dessa forma o sangue venoso torna-se “arterializado” retornando com uma PvO2 e ScvO2 elevadas artificialmente, e não por falência mitocondrial como era de se esperar para uma Taxa de Extração de O2 baixa!

Outras situações semelhantes acontecem nos pacientes com Doença Renal Crônica em hemodiálise, que possuem fístulas artério-venosas para dialisar, eles sempre terão uma ScvO2 e SvO2 elevadas! Se você colher o sangue do Swan-Ganz de maneira muito rápida, pode acontecer de aspirar aquele sangue que encontra-se pouco mais à frente no vaso, já em hematose, e assim em vez de uma amostra venosa mista, você coletou uma amostra “arterializada”. Essa segunda situação não é persistente como a primeira pois o modo de coleta poderá variar e as fístulas não, portanto serão valores estranhamente “fora da curva”!

Se já passou por isso, comente abaixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *